MameBOX: O Gabinete – Parte 1.0

July 11, 2011

Como este projeto está sendo algo de assíncrono, vou fazer posts divididos por partes, de acordo com o que eu estiver fazendo neste momento. Vamos começar falando sobre o gabinete. Considere isso a contra-parte do software pois afinal, software é o que você xinga e hardware é o que você chuta ;)

No meio do texto você vai encontrar “dicas do front”. São coisas que aprendi durante o processo e que podem parecer óbvias para quem tem experiência mas que foram, ao menos para mim, dores de cabeça que eu poderia ter evitado caso soubesse com antecedência.

No post anterior eu já havia dito que procurei fazer um projeto simplificado, com bastante tolerância à falhas mas que ainda tivesse uma cara de arcade. Escolhi uma variação do projeto LuSiD que é a base de muitos outros projetos que encontramos por aí. A principal diferença, estruturalmente falando, é que resolvi embutir o conjunto de controles no corpo do gabinete, ao invés de deixa-lo para fora. Isso simplifica a construção. Aqui temos os planos básicos feito no qcad e aqui um PDF dos mesmos.

A Construção

O material

Resolvi fazer o gabinete todo em MDF de 18mm, com acabamento em preto nas duas faces. A vantagem desta opção é que o acabamento já está lá, dispensando pintura ou aplicação de outro acabamento. A desvantagem é que precisa tomar muito cuidado ou o acabamento ficará arruinado, seja por cortes acidentais, arranhões ou ferramentas erradas que arrancam o folhado nas bordas. As folhas geralmente são vendidas em placas individuais de 275 x 185. Esta última medida dá uma ótima altura para o gabinete. Cada folha destas custa de R$ 150,00 a R$ 250,00 dependendo do tipo de acabamento.

Dica do front: Peça que o fornecedor corte para você a folha em 3 partes mais ou menos nas dimensões brutas das laterais. Muitas lojas fazem isso antes da entrega, de graça ou por uma pequena taxa. Isso ajuda muito na manipulação pois uma placa nestas dimensões é bem pesada.

As outras opções também válidas são:

  • MDF mais fino. É mais leve e mais fácil de trabalhar mas exige reforços internos para evitar que fique “bambo” e deve-se ter mais cuidado com a carga de um monitor CRT que pode pesar bastante.
  • MDF crú. Opção melhor para quem quer pintar o gabinete.
  • Compensado. Apesar do que muitas vezes se pensa, é tão bom material quanto o MDF mas exige mais cuidado e habilidade durante a construção pois a granulação maior desgasta com mais facilidade.

Se usar compensado ou MDF crú, outra opção de acabamento além da pintura, é a aplicação de fórmica o que dá um aspecto bem “retrô”.

As Ferramentas

Ah, ferramentas, uma das paixões dos homens. Claro que tudo pode melhorar, mas eu divago :)

O maior desafio em um projeto como este é, em minha opinião, fazer os cortes, especialmente os maiores, com precisão em em linha reta. Quando eu digo em linha reta, quero dizer nas 3 dimensões pois, embora você possa sempre fixar uma régua para forçar a ferramenta de corte a manter um direção constante, ferramentas como serras tico-tico tem a tendência de entortar quando cortando tábuas grossas. Assim sendo, recomendo fortemente uma serra circular ou melhor ainda, uma de bancada. Se você tiver acesso a um CNC então, me diga e eu ficarei aqui morrendo de inveja pois, para um projeto como estes, é o paraíso.

Dica do front: Eu comecei com a tico-tico mas depois fui obrigado a comprar a serra circular. A diferença na velocidade e precisão dos cortes é imensa. Foi muito mais fácil cortar a segunda lateral, já com a serra circular.

Além disto, temos o básico como trena, esquadro, réguas, lápis, furadeira, serras copo, garras (sargentos), etc. Outras ferramentas que não são essenciais mas que ajudam são lixadeira, transferidor e mini-drill.

Uma bancada é muito bem vinda mas você pode também improvisar com boas cadeiras de madeira resistente mas ficar fazendo cortes abaixado vai deixa-lo com dores nas costas. Eu fiquei.

Não se esqueça também da sua segurança e saúde usando máscara, óculos e luvas. Depois que eu vi como foi fácil eu cortar 10 cm de uma cadeira sem nem ter notado, por puro descuido, com a serra circular como a que citei acima, passei a respeitar muito mais esta ferramenta imaginando como teria sido fácil ter sido meu dedo no caminho. Para quem já foi membro de CIPA é até vergonhoso admitir.

Começando a construção.

Antes de mais nada, uma palavra de incentivo: você provavelmente vai fazer algo errado :) Não estou falando isso para desanima-lo mas para não se deixar abater. Embora as instruções aqui sejam simples e fáceis de seguir, se você, assim como eu, não tem experiência com trabalho em madeira, vai fazer alguma bobagem mas, com sorte, pequena o suficiente para que possa ser consertada. Eu fiz. Várias.

Minha sugestão é que você comece pelas laterais, cortando primeiro um retângulo com dimensões levemente superiores ao necessário e então riscando e cortando o formato desejado. No caso do MDF preto, é difícil marcar as linhas. Eu usei com relativo sucesso já que não tinha muita precisão. O processo que usei foi:

  1. Marcar as dimensões com giz.
  2. Prender com os sargentos uma régua para servir de guia para o corte.
  3. Fazer o corte com a serra circular.
  4. Fazer o corte final nos cantos com a tico-tico se necessário.

O corte mais complicado é o interno, onde vai o monitor. O que fiz foi começar com um corte grosseiro vindo de fora para tirar o máximo que pude do meio e depois cortei com a serra circular do centro para as bordas.

Dica do front: Lembre-se que a serra circular não faz cortes retos no sentido vertical como a tico-tico então algo sempre sobrará embaixo para acerto fino posterior.

Uma vez que o primeiro lado estiver pronto, o segundo é mais fácil: deite o primeiro lado sobre a outra parte previamente cortada, trace o contorno e corte.

Depois da segunda lateral pronta, você pode notar que mesmo traçando o perfil da primeira, as duas metades não se ajustam perfeitamente. Este ajuste não é extremamente necessário mas, se o faz sentir melhor, ajuste as faces maiores das duas metades uma sobre a outra, prenda-as com os grampos, trace linhas de como a tirar as diferenças, aumente o corte da serra circular para cortar as duas peças ao mesmo tempo e mãos à obra. Conforme eu disse anteriormente, este desenho admite algum erro nas medidas sem comprometer o resultado final, um centímetro (ou mesmo alguns) a mais ou a menos não importam contanto que o monitor escolhido caiba dentro e que o painel esteja na altura adequada que eu estimo entre 90 e 100cm.

Bom, este é o ponto a que cheguei até este momento. Pretendo amanhã começar as peças de suporte internas. Como são todas basicamente retângulos, deve ser bem tranquilo.

Aguardem o próximo post!

Leave a Reply